Arabic arDanish daGerman deGreek elEnglish enSpanish esFinnish fiFrench frHindi hiCroat hrIndonesian idItalian itHebrew iwJapanese jaKorean koMalay msDutch nlNorwegian noPolish plPortuguese ptRomanian roRussian ruSwedish svSwahili swThai thFilipino tlTurkish trVietnamese vi

[01] História das Corridas Atléticas.


História das corridas atléticas.
Dentre as diversas formas que o homem conta para se locomover, desde o seu nascimento, a corrida é aquela que chama maior atenção, por ser o meio mais rápido e também por ser utilizada em forma de competição na maioria dos esportes.

O povo grego, nos primórdios de nossa civilização, já expressava uma forte tendência artística refletindo a plasticidade com que executavam as corridas atléticas uma das características de sua cultura excepcional. Assim, nos primeiros Jogos Olímpicos, os gregos já organizavam competições de corridas de velocidade. Era a prova de 192 metros, equivalentes a 600 pés de Heracles. Essa corrida era chamada de estádio. Logo se agregaram outros tipos de corridas, como a de 2 estádios (ida e volta) e as corridas de resistência sobre 8, 10, 12 e até 24 estádios (4,600 metros).

Naquela época se via claramente as diferenças de estilo entre os velocistas e corredores de longa distância. Estes últimos apresentavam uma técnica muito boa, se comparados com os corredores atuais, visto que já se exigia correr com os braços bem soltos, movimentos laterais em relação ao tronco, corpo ligeiramente inclinado à frente, posicionamento da cabeça, etc.

Nas diferentes figuras representadas em obras de arte, torna-se possível observar a forma como os velocistas apoiavam os pés no chão (pela ponta), diferentemente dos corredores de fundo, nos quais esse detalhe não era tão acentuado. Via-se também que os movimentos dos braços eram sumamente amplos, detalhe comprovado no início do nosso século, quando treinadores norte-americanos concluíram que os braços prestam um serviço muito especial nas provas de velocidade e que sua ação deve ser dirigida para adiante, sem se cruzarem na frente do corpo.

Os helênicos também davam muita importância às corridas atléticas, a ponto de os espartanos avaliarem uma pessoa de acordo com o seu rendimento nessa modalidade esportiva. As mulheres também treinavam e competiam em corridas longas. E o mesmo acontecia com as crianças, estas em corridas de menores distâncias. Os gregos chegaram até a considerar a corrida como sendo de vital importância para as funções orgânicas, acreditando que elas fortaleciam as pernas, os pulmões, o coração, o peito e o abdômen.

Em nossa época as corridas atléticas continuaram a merecer uma atenção especial. O primeiro povo a demonstrar , um interesse especial por elas foram os ingleses, que evidenciaram uma grande inclinação pelas provas de longa duração. Na época dos Estuardos eles já , realizavam confrontos desse tipo, praticados por corredores profissionais.

Os competidores eram em geral os mensageiros dos senhores feudais: quando as condições climáticas dificultavam o transporte pesado, porque os caminhos tornavam-se intransitáveis, os corredores iam na frente, para anunciar a chegada do seu patrão nas cidades a serem visitadas. Esses corredores eram chamados de running-footman. Os turcos também possuíam corredores desse tipo, denominados puchs.

A partir daí os ingleses começaram a realizar competições entre os mensageiros, as quais envolviam grandes apostas. Certa vez, em Woodstock Park, foi instituído inclusive um prêmio para o vencedor, no montante de mil libras esterlinas. Nessa época, já existiam grandes nomes, como o de um sastre, Tawershan, que nos princípios do século XVIII destacou-se nas provas de velocidade e também nas distâncias maiores (mais de 100km). E assim foram surgindo os corredores profissionais, que faziam percursos bastante longos, de 80 a 150km.

A partir de então, começaram a surgir nomes que marcaram época na história das corridas atléticas, realizando feitos extraordinários, comparáveis aos que realizariam mais tarde Paavo Nurmi e Emil Zatopek. Dava-se então maior destaque às provas longas, mas logo os próprios ingleses começaram a incursionar em distâncias mais curtas, dando maior incentivo à velocidade e também à milha. Esta última tornou-se uma das provas clássicas, destacando-se o corredor John Todd, com a excelente performance de 4'10" para a distância, que é sem dúvida um ótimo tempo para a sua época.

A partir da Inglaterra, as corridas começaram a chegar em outros países, como os Estados Unidos, a Finlândia, a Suécia e a Alemanha, entre outros. Com o tempo, elas foram sofrendo várias transformações, até que se chegou às provas disputadas nos dias atuais, que classificaremos logo a seguir. São as provas de corridas atléticas, que vamos estudar.

Treino de Corrida

[00] Treino de Corrida[02] Corridas Atléticas - Tipos das Provas.
Treino de Corrida
01 História das Corridas Atléticas.
02 Corridas Atléticas - Tipos das Provas.
03 Técnica da Corrida.
04 Técnica da Corrida - Equilíbrio.
05 Técnica da Corrida - Coordenação.
06 Técnica da Corrida - Descontração.
07 Técnica da Corrida - Eficácia.
08 Técnica da Corrida - Ação do Corpo.
09 Técnica da Corrida - ângulo do Corpo.
10 Técnica da Corrida - Movimento dos Braços.
11 Técnica da Corrida - Colocação dos Pés.
12 Técnica da Corrida - Movimentação das Pernas.
13 Corrida - Resistência Aeróbica.
14 Benefícios das Corridas de Longa Distância.
15 Corridas e As Crianças.
16 Método da Corrida Por Tempo.
17 Método da Corrida Por Percursos.
18 Método da Corrida Por Campeonato de Percurso.
19 Método da Corrida Por Equipe.
20 Método da Corrida Intercalada.
21 Planejamento Treino de Resistência.
22 Corrida Cross-contry.
23 Como Organizar Uma Competição de "cross-country".
24 Corrida - Provas Competitivas de Resistência Geral.
25 Corrida - Princípios Para o Treinamento.
26 Técnica das Corridas de Fundo.
27 O Treinamento das Corridas de Fundo.
28 Tática das Corridas de Fundo.
29 Escolha de Exercícios Para o Corredor.
30 Exercícios Específicos Para o Corredor.
31 Exercícios de Alongamento e Mobilidade.
32 Corrida - Resistência Anaeróbica.
33 Corrida - Provas de Resistência Anaeróbica.
34 Técnica das Corridas de Meio-fundo
35 Corrida - Prova 800m Rasos.
36 Corrida - Prova 1500m Rasos.
37 Corrida - Treinamento Para As Provas de Meio-fundo.
38 Corrida - Ciclos Ou Período de Treinamentos.
39 As Corridas de Velocidade.
40 Técnica das Corridas de Velocidade.
41 Técnica da Saída Nas Corridas de Velocidade.
42 Corrida de Velocidade - Técnicas de Saída Em Experiência.
43 Corrida de Velocidade - Posição Para Saída.
44 Corrida de Velocidade - a Partida.
45 Corrida de Velocidade - o Desenvolvimento.
46 Corrida de Velocidade - Ação dos Braços.
47 Corrida de Velocidade - Defeitos Técnicos.
48 Corrida de Velocidade - a Chegada.
49 Corrida de Velocidade - Chegada Estilo Normal.
50 Corrida de Velocidade - Chegada Estilo Ombro a Frente.
51 Corrida de Velocidade - Chegada Estilo Tronco a Frente.
52 Corrida de 100m Rasos - Considerações Gerais.
53 Corrida de 200m Rasos - Considerações Gerais.
54 Corrida de 400m Rasos - Considerações Gerais.
55 Jogos Didáticos Para As Corridas de Velocidade.
56 Corridas - Sequência Aprendizado da Saída.
57 Corridas - Sequência Aprendizado da Saída Baixa.
58 Sequência Aprendizado da Técnica de Corrida.
59 Exercícios Para a Musculatura e Mobilidade.
60 História das Corridas Com Barreiras.
61 Técnica da Corrida Com Barreiras.
62 Fases da Corrida Com Barreiras.
63 Como Fazer a Passagem Sobre a Barreira.
64 Corrida 110m Com Barreiras - Considerações Gerais.
65 Corrida 110m Com Barreiras - a Saída.
66 Corrida 110m Com Barreiras - Ataque à Primeira Barreira.
67 Corrida 110m Com Barreiras - a Chegada.
68 Corrida 110m Com Barreiras - Defeitos a Se Evitar.
69 Corrida 110m Com Barreiras - o Treinamento.
70 Corrida 200m Com Barreiras - Considerações Gerais.
71 Corrida 400m Com Barreiras - Considerações Gerais.
72 Corrida 400m Com Barreiras - o Treinamento.
73 Didática Para Aprendizado da Corrida Com Barreiras.
74 Sequência Aprendizado da Técnica de Corrida Com Barreiras.
75 Estudo Sobre o Ensino de Corrida Com Barreiras.
76 Corrida Com Barreiras - Exercícios Especializados.
77 As Corridas Com Obstáculos.
78 Corrida 3.000m Com Obstáculos.
79 Técnica das Corridas Com Obstáculos.
80 Processos Didáticos das Corridas Com Obstáculos.
81 Exercícios e Aprendizado da Corrida Com Obstáculos.
82 Corrida de Revezamento - Histórico.
83 Corrida de Revezamento - Técnica dos Revezamentos.
84 Corrida de Revezamento - Estilos Passagem do Bastão.
85 Corrida de Revezamento - Forma de Passagem do Bastão.
86 Corrida de Revezamento - Métodos de Desenvolvimento.
87 Corrida de Revezamento 4x100m.
88 Corrida de Revezamento 4x100m - Escolha da Equipe.
89 Corrida de Revezamento 4x100m - Considerações.
90 Corrida de Revezamento 4x100m - Treinamento.
91 Corrida de Revezamento 4x400m.
92 A Passagem do Bastão No Revezamento 4x400m.
93 Métodos de Revezamento No Revezamento 4x400m.
94 Didática Para Aprendizado das Corridas de Revezamento.
95 Jogos Didáticos Para As Corridas de Revezamento.
96 Exercícios Didáticos Para As Corridas de Revezamento.
97 Provas de Corrida - Regras da Pista de Corrida.
98 Provas de Corrida - Regras da Saída.
99 Provas de Corrida - Regras da Chegada.
100 Provas de Corrida - Regras dos Cronometristas.
101 Provas de Corrida - Regras das Corridas Com Barreiras.
102 Provas de Corrida - Regras das Corridas de Revezamento.
103 Como Ser Um Corredor - Relato de Um Corredor.
104 Benefícios Fisiológicos Proporcionados Pela Corrida.
105 A Longevidade Como Resultado da Corrida.
106 Como Desenvolver a Sua Capacidade de Correr.
107 Locais Para Praticar a Corrida.
108 Cálculo do Ritmo da Corrida.
109 Técnica Para Iniciantes Na Corrida.
110 Equipamentos Para Correr.
111 Tipos de Lesões Na Corrida.
112 Como Citar o Nosso Site

comentários:


Postar um comentário

Deixe o seu comentário





* necessário